Sai biografia não-autorizada de Marcelo Odebrecht

Chega às livrarias "O Príncipe", biografia não-autorizada de Marcelo Odebrecht. O livro surge após polêmicas com a publicação "Diário da Cadeia" de "Eduardo Cunha" (Pseudônimo do escritor Ricardo Lísias) e marca o aquecimento das biografias não-autorizadas por seus personagens e/ou herdeiros, ou mesmo livros inspirados em fatos reais, associados a personagens da livre-criação literária. A decisão do STJ definiu o mercado em 2015, após reações de Roberto Carlos ao seu biógrafo Paulo César de Araujo, culminando num processo amplamente divulgado.

Herdeiro de uma das principais dinastias corporativas nacionais e um dos personagens centrais do estopim do escândalo de corrupção no país, detalhes da quase desconhecida intimidade de Marcelo Odebrecht são revelados em “O Príncipe”, biografia não-autorizada escrita pelos jornalistas Marcelo Cabral e Regiane Oliveira que chega às livrarias este mês, pela editora Astral Cultural.



O livro revela uma personalidade detalhista, disciplinada e obstinada. E expõe conflitos históricos e recorrentes com o fundador do império Odebrecht, Emílio. Muito antes do rompimento público por causa das divergências do que deveria ser dito ou não no primeiro depoimento aos procuradores da Lava Jato, o clima dos Odebrechtes já era de tensão e divergência.

Em trecho do livro os autores contam que “desde a adolescência de Marcelo, inúmeras pequenas discussões marcavam o dia a dia de ambos, causadas pelos motivos mais inocentes possíveis. Diferenças de opinião, comportamentos opostos, qualquer coisa virava um motivo para os entreveros. Enquanto Emílio demonstrava simpatia pelo Bahia, por exemplo, Marcelo torcia pelo rival Vitória. ‘Acho que nenhum dos dois realmente liga para futebol. Torcer pelo time rival era mais uma forma de espezinhar o outro mesmo’, diz um amigo da família”.

Comentários